Em Destaque

Conhece o fotógrafo que condensou filmes inteiros numa só imagem

8 Julho 2019

Jason Schulman é um fotógrafo, escultor e vídeo-artista britânico. E porque é que estamos aqui a falar-te de um artista multimédia, perguntas tu? Porque Jason Schulman descobriu como fotografar o “ADN” dos filmes. Confuso? Nós explicamos.

Schulman é um curioso por natureza e um dia pensou que seria interessante fotografar um filme a passar, utilizando uma técnica fotográfica de longa exposição. No início, achou que o resultado ia ser uma grande mancha castanha e confusa, mas teve uma surpresa quando percebeu que, numa só imagem, conseguia condensar a magia e a essência de um determinado filme.

Fonte da imagem

A ciência por detrás disto é esta: se pensares que normalmente um filme tem 24 fotogramas por segundo e que quando fotografamos em longa exposição estamos, tecnicamente, a fotografar vários momentos, então o que Schulman faz é fotografar milhares de fotogramas e mostrá-los numa só imagem. Mesmo que pegasses em todos os fotogramas dos filmes, os baralhasses e voltasses a condensar todos numa só imagem, essa imagem seria igual à produzida por este artista e pela sua câmara.

Fonte da imagem

Se soubermos olhar para estes resultados quase impressionistas, conseguimos perceber o que temos pela frente. Por exemplo, na maior parte das fotografias de filmes de Stanley Kubrick, a mancha torna evidente o cenário, o que faz sentido se pensarmos no amor que o realizador tinha pelos elementos formais e pelo enquadramento proporcionado pela arquitetura. Os filmes de animação ou os filmes onde a câmara se move muito e muito rapidamente já formam manchas mais abstratas, como é o caso de Dumbo (1941), O Feiticeiro de Oz (1939) ou Cinderela (1950). E em Alice no País das Maravilhas (1951) a mancha é tão psicadélica como dizem que o filme é – não existem mesmo coincidências.

Fonte da imagem

Há mesmo algo de fascinante em ver o nosso filme favorito assim, completamente “despido” e mostrado em toda a sua essência. Se o teu não é nenhum destes, convidamos-te a explorares o site do artista e desafiamos-te a adivinhares a que filme corresponde cada imagem

Com estes filmes mais bizarros vais ter sempre tema de conversa

E por bizarros queremos dizer os filmes que foram feitos ao longo de vários anos, os filmes que não têm uma narrativa, os filmes de culto que são autênticos festins visuais ou, apenas, aqueles filmes que toda a gente vê e adora, mas não percebe.

8/7/2019 LER MAIS

Os filmes de culto do futuro podem muito bem ser estes que te mostramos

O que é que constitui um filme de culto? Podíamos falar-te do elenco, da banda sonora, do significado geracional e até do realizador, mas aquilo que torna mais um filme num filme eterno é uma de duas coisas – ou é muito bom, ou é muito mau!

8/7/2019 LER MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *