Destaques

Cinema pelo mundo: os melhores filmes românticos dos cinco continentes

11 Março 2019

Depois de nos rirmos com o primeiro artigo da nossa rubrica sobre cinema pelo mundo, está na hora de nos apaixonarmos em terras distantes e exóticas, e perceber como o amor pode ser tão diferente na sua expressão, mas ser tão fundamentalmente igual. Não, ainda não é desta que te trazemos cinema do Buruti nem da Polinésia Francesa, mas trazemos-te uma triste e comovente história de amor da África do Sul e um melodrama de fazer chorar as pedrinhas da calçada da Índia, entre outras geografias.

 

América do Norte – A Idade de Adaline (2015)

Cena do filme A Idade de Adaline

Fonte da imagem

Começamos com A Idade de Adaline, a história de uma mulher que vive no medo de se entregar à vida por causa de um segredo perigoso. Em 1937, a jovem Adaline, viúva e mãe de uma bebé, tem um acidente de carro. A partir daí, percebe que deixou de envelhecer, permanecendo com 28 anos para sempre. Em 2015 Adaline continua a viver a sua vida da forma mais normal possível: a filha parece agora a sua avó e as identidades falsas sucedem-se. Solitária, Adaline conhece Ellis, um filantropo que vai tentar convencê-la a deixar-se amar, apesar do medo. Um filme romântico como só os americanos conseguiriam fazer, A Idade de Adaline vai deixar-te a suspirar durante duas horas. Sentes-te romântico?

 

América do Sul – Luz Silenciosa (2007)

Luz Silenciosa é o verdadeiro símbolo do que é o cinema pelo mundo. Realizado por um mexicano e falado em Plautdietsch, o dialeto das comunidades menonitas russas, é uma história de amor e de dúvida que arrecadou mais de vinte prémios internacionais, entre eles o Grande Prémio do Júri em Cannes. Numa comunidade menonita mexicana (grupo religiosa anabatista), um homem casado apaixona-se por outra mulher. Dividido entre o laço divino que tem com a esposa e com o seu deus e o laço emocional e terreno que tem com a amante, Johan sofre e tenta encontrar uma solução para o seu sofrimento.  Luz Silenciosa explora os efeitos do desejo individual numa comunidade que valoriza o sacrifício de fé e a vontade do coletivo sobre o indivíduo. Reygadas optou por trabalhar com atores não profissionais, que na realidade faziam parte de comunidades menonitas, e assim provou que por vezes a realidade se pode tornar na mais comovente ficção.

 

África – Elelwani (2012)

Vindo da África do Sul, este filme conta a história de Elelwani, uma mulher que teve o privilégio de receber uma educação e de viver em relativa liberdade para os padrões da comunidade Venda. Quando volta para casa dos pais, a jovem rapariga descobre que estes querem que ela se case com o Rei, como forma de “pagar” a educação que recebeu e salvar a família da ruína. Mas Elelwani está apaixonada por um homem que conheceu na sua vida anterior e vai lutar contra o destino e as imposições sociais para poder viver em liberdade e amar quem quiser. Um filme poderoso sobre a força do amor, a liberdade e a coragem de irmos contra tudo o que conhecemos.

 

Oceânia – Austrália (2008)

Cena do filme Australia

Fonte da imagem

E no nosso périplo pelo cinema do mundo, Austrália, do incrível Baz Luhrmann tinha de estar presente. Nicole Kidman é uma aristocrata britânica que herda uma quinta no norte da Austrália. Quando chega à ilha, percebe que vai ter de se unir com Hugh Jackman, um rancheiro muito pouco habituado a ter companhia, para salvar a propriedade. Lentamente, as diferenças entre ambos provam ser o que os une num amor apaixonado, mas a II Guerra Mundial aproxima-se e põe à prova tudo o que construíram juntos. Este filme é um grande épico e não vais ter outra opção senão render-te à história empolgante.

 

Europa – 10000km (2014)

Cena do filme 10000km

Fonte da imagem

Normalmente, os filmes de amor mostram-nos os protagonistas a conhecerem-se, a apaixonarem-se, a ficarem juntos, a separarem-se por algum truque do destino e a reunirem-se finalmente, prontos para serem felizes para sempre. Mas 10000km é o filme que baralha e volta a dar e atreve-se a mostrar-nos o amor de um casal separado por um mar de distância, a ter de gerir a relação através de chamadas de Whatsapp, Skype e Messenger. 10000km podia ser só uma história de amor moderna, mas é muito mais do que isso. É um filme sobre a resistência das relações, sobre os desejos individuais e os planos a 2, que não tem medo de mostrar o “lado B” do amor.

 

Ásia – Devdas (2002)

Cena do filme Devdas

Fonte da imagem

E o nosso cinema pelo mundo não podia estar completo sem um verdadeiro filme de Bollywood. Devdas é um dos mais famosos filmes do género, um épico de amor e redenção que, na altura, foi o filme indiano mais caro de sempre. Devdas e Paro são amigos de infância e quando o primeiro vai estudar para Inglaterra, a rapariga acende uma lâmpada de óleo que só apagará quando ele voltar. Já crescidos, descobrem que se amam, mas a família do jovem considera Paro inferior à sua casta e opõem-se ao casamento. Ao longo dos anos, os caminhos dos dois amantes infelizes vão cruzar-se: Paro é obrigada a casar com um homem mais velho e Devdas, desesperado por não ter lutado pela amada, entrega-se a uma vida de dissolução. No entanto, o amor que os une é mais forte e, embora a felicidade não esteja ao seu alcance, nunca vão desistir um do outro.

Os filmes que inspiraram La La Land

La La Land é um mundo de referências cinematográficas para quem souber reconhecê-las. Damos-te uma ajudinha.

11/3/2019 LER MAIS

Mas afinal o que é que a Meryl Streep não consegue fazer?

Afinal, o que é que a Meryl Streep não consegue fazer? Desiludir-nos, dizemos nós.

11/3/2019 LER MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *