Em Destaque

Cenografia – conhece os criadores dos mundos que enchem o teu ecrã

23 Fevereiro 2018

Imagem da Rubrica Nem So de Estrelas E Feito um Filme

Hoje gostávamos de falar contigo sobre cinematografia, ou a arte de criar os cenários e os ambientes dos filmes que nos fazem mergulhar totalmente no ecrã. Já alguma vez viste um filme e pensaste que era tudo tão realista que parecia que estavas lá dentro? É sinal que o diretor de cenografia e as dezenas de pessoas da sua equipa estão de parabéns. O responsável pelos cenários tem que saber um pouquinho de tudo: história de arte, arquitetura, decoração, engenharia, efeitos especiais, e a lista continua. No fundo, a cenografia é a base de toda a ação e muitas vezes implica literalmente criar mundos novos.

Fica a conhecer cinco dos nossos favoritos diretores de cenografia e revê os filmes que os tornaram famosos.

 

Catherine Martin

Elenco de Moulin Rouge

Oscars: 4

Catherine Martin é, muito mais do que a sua mulher, a colaboradora mais fiel de Baz Luhrmann. Trabalham sempre em conjunto e é ela a responsável pela cinematografia e guarda-roupa dos filmes megalómanos que o australiano gosta de criar. Responsável pelos mundos incríveis de Moulin Rouge (20011) e O Grande Gatsby (2013), por exemplo, Martin é a mágica dos cenários. Moulin Rouge foi todo filmado nos estúdios da Fox Studios Australia, onde a equipa conseguiu criar um cabaret a partir do nada. O detalhe foi tanto que o elefante que vês no filme teve vários modelos, incluindo em escala total. Para adaptar O Grande Gatsby para o cinema, Martin e a sua equipa construíram mais de 40 sets em apenas 14 semanas, todos com detalhes incríveis.

 

Adam Stockhausen

Cena do filme Moonrise Kingdom

Oscars: 1

The Darjeeling Limited (2007), Moonrise Kingdom (2012) e Grand Budapest Hotel (2014) têm todos o mesmo diretor de cenografia: Adam Stockhausen. Com um olho para o detalhe, é ele o principal responsável pelos cenários minuciosos que podes ver nestes filmes. Stockhausen está presente em todo o processo, desde a repérage à escolha dos elementos de decoração do cenário. Mas não penses que podes meter este diretor de cenografia numa caixa: trabalhou noutros filmes importantes e muito diferentes do imaginário peculiar de Anderson. Aliás, garante até que trabalhar em filmes como Moonrise Kingdom ou 12 Anos Escravo (2013) é, fundamentalmente, a mesma coisa: o que importa é criar uma ilusão que seja real.  Ora aí está uma boa descrição de cenografia.

 

John Myhre

Cena do filme Memorias de Uma Gueixa

Oscars: 2

E a provar aquilo que Stockhausen disse, queremos falar-te de John Myhre, o homem que em 14 semanas construiu o hanamachi de Quioto para o filme Memórias de Uma Gueixa (2005). Com uma equipa de 150 pessoas construiu dezenas de prédios de três andares, um rio, ruas e avenidas, e tudo nos estúdios da Fox. Myhre é um dos artistas mais respeitados em Hollywood e é conhecido pela sua versatilidade: desde musicais a grandes épicos, é um dos favoritos quando o que se quer é um filme que salte do ecrã. Não acreditas? Ora vê só este currículo: montou a corte inglesa do séc. XVII em Elizabeth (1998), criou os cenários inspirados nos musicais da Broadway em Chicago (2002) e fez surgir mares, navios e ilhas tropicais em Piratas das Caraíbas – Por Estranhas Marés (2011).

 

Rick Carter

Cena do filme Avatar

Oscars: 2

Rick Carter tem uma lista de filmes impressionante, desde Parque Jurássico (1993) a Star Wars: O Despertar da Força (2015). Mas o seu filme mais impressionante é mesmo Avatar (2009), onde mostrou que, definitivamente, é ele o diretor de cenografia indicado para quem quer fazer um filme com uma visão que vai além daquilo que se conhece. Em conjunto com James Cameron, foi ele que ergueu a lua de Pandora, onde toda a ação se passa, um feito nunca antes vistos na área dos efeitos especiais.

 

 

Dante Ferretti

Cena do filme Cinderela

Oscars: 3

Dante Ferretti começou a carreira como assistente em filmes de Pasolini e depois trabalhou durante alguns anos com o lendário Federico Fellini, com quem diz que aprendeu tudo o que sabe sobre cenografia. Ao contrário de Rick Carter, embirra com tudo o que são efeitos especiais e prefere construir os cenários de raiz, até porque assim tem mais controlo sobre os elementos que fazem parte deles. Trabalhou em filmes tão icónicos como O Navio (1983), O Nome da Rosa (1986) e Entrevista Com O Vampiro (1994). Cinderela (2015) foi o seu mais recente filme, com cenários inspirados na arquitetura barroca francesa e italiana. Ferretti tem tanta atenção ao detalhe que, na cena do baile, as 5000 velas de óleo usadas eram verdadeiras e tiveram que ser acendidas à mão.

 

  • O Grande Gatsby / quarta 28 de fevereiro, 13:45
  • Parque Jurássico / quinta 1 de março, 21:30

Estas Estrelas de Outubro foram ao espaço (ou o espaço veio até elas)

As nossas Estrelas de Outubro têm todas uma coisa em comum: ou já foram ao espaço, ou o foi o espaço que veio até elas. Isto tudo, é claro, no grande ecrã.

23/2/2018 LER MAIS

Curta-Metragem com Final Feliz

Luís Filipe Borges escreve uma crónica com final feliz. Os filmes que viu, os filmes que não viu, os filmes que ainda vai ver. The show must go on.

23/2/2018 LER MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *